Tenha isso em mente: big data não deve ser tratado como um tópico de TI. Essa é a observação de Rasmus Wegener, executivo da Bain & Company focado na disciplina, quando questionado sobre qual seria o principal equívoco cometido atualmente em iniciativas envolvendo o conceito. “Todo mundo está exposto ao tema e não é algo da tecnologia. Vincula-se a uma nova forma de fazer negócios”, reforça.

 

A afirmação não exclui, contudo, o CIO da jogada. Aliás, trata-se do oposto disso. Os executivos de tecnologia têm um papel fundamental e podem melhorar seu status dentro das organizações com a abordagem de que é o profissional capaz de ajudar o negócio no processo de extração de valor desse grande volume de dados.

“Os líderes de TI podem aproveitar movimento para aproximar-se da estratégia das organizações”, comenta Wegener, fortalecendo o impacto transformador trazido a partir de abordagens certeiras quanto ao uso de big data. “Inserir esse tipo de iniciativa na agenda corporativa configura-se em uma oportunidade de abrir os diálogos com a alta gestão. O CIO é, no caso, o facilitador”, adiciona.

Assim como tantas outras consultorias, a Bain & Company bate na tecla de que os projetos de grandes volumes de dados precisam endereçar demandas de negócio. E a recomendação, a partir daí, é começar com esforços endereçados a oportunidades ou desafios de negócios conhecidos. 

“Vinte prioridades é igual a nenhuma prioridade. Escolha o que melhor se encaixa nos seus objetivos e os persiga”, comenta o especialista, dizendo que a abordagem correta garante gastos mínimos com tecnologia.

Dentre os desafios, Wegener cita que talvez o principal medo para iniciativas envolvendo o conceito ainda toca o valor dos projetos. O receio vem quanto a incerteza quanto ao retorno sobre os investimentos, ainda incertos, o que reforça a necessidade de elaborar um bom business case para vender a ideia à gestão da companhia.

As grandes verdades valem
Em um ambiente onde as empresas não são nascidas digitais – onde o investimento é mais natural – o trabalho é mais difícil. Comece com problemas do seu já identificados e pense que uma abordagem de big data pode ajudar a tomar uma decisão melhor, economizar dinheiro com ferramentas que não precisaria.

Além disso, ele cita que acertar quanto ao direcionamento da aplicação das ferramentas analíticas permite torna os negócios duas vezes mais rentáveis, além de possibilitar tomadas de decisões três vezes melhores e cinco vezes mais rápidas.

fonte: http://computerworld.com.br/