ASSAMA – Associação dos Deficientes Por Amputação de Maringá foi fundada em 09/04/1994, como sociedade civil de natureza social, cultural e esportiva sem fins lucrativos.

Desde formação sempre teve por finalidade atuar na área social e esportiva, buscando melhores condições de vida, reabilitação, socialização e devolvendo ao deficiente o anseio de retomar seus projetos de vida.

A partir do ano de 1994, com o futebol e de 2004 com o vôlei, a ASSAMA passou a participar de competições de níveis estaduais e nacionais. Desde então, a equipe de vôlei e de futebol adaptado participam de campeonatos em Maringá, região e nacionalmente.

Futebol

O futebol para amputados é disputado em campo de futebol Society com dimensões mínimas de 60m x 38m, onde cada equipe joga com sete jogadores. O goleiro possui a deficiência em um dos braços e todos os atletas de linha podem ser amputados de uma das pernas ou lesotos. As partidas são divididas em dois tempos de 25 minutos, com intervalo de 10 minutos.

Os técnicos podem pedir somente um tempo de um minuto para orientar seus atletas a cada etapa da partida. A muleta não pode tocar na bola de forma intencional, o goleiro não pode sair da área, o tiro de meta não pode ultrapassar o meio campo e o lateral é cobrado com o pé. Não há limites para substituições, os jogadores substituídos podem voltar ao jogo e as demais regras não diferem das utilizadas pelo futebol tradicional.

Conquistas do Futebol

Ano 2017
8ª Lugar no Campeonato Brasileiro de futebol de amputados society em Aparecida de Goiânia/GO.
Ano 2012
5ª Lugar no Campeonato Brasileiro de futebol de amputados society em Maringá/PR.
Ano 2010
3ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Mogi das Cruzes/SP.
Ano 2009
4ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Goiânia/GO.
Ano 2008
5ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Belo Horizonte/MG.
Ano 2007
3ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Maringá/PR.
Ano 2006
3ª Lugar no Campeonato Nacional, Copa do Brasil de futebol de amputados society em Maringá/PR.
Ano 2005
4ª Lugar no Campeonato Nacional, Copa do Brasil de futebol de amputados society em Niterói/RJ.
Ano 2004
4ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Niterói/RJ.
3ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Goiana/GO.
Ano 2003
3ª Lugar no Campeonato Nacional, Brasileiro de futebol de amputados society em Niteroí/RJ.
Ano 2002
2ª Lugar no Campeonato Nacional, Copa do Brasil futebol society em Niteroí/RJ.
Ano 2001
1ª Lugar no Campeonato Internacional, de futebol society, realizado na cidade de Niterói/RJ.
Ano 1998
1ª Lugar no Campeonato Nacional, III Jogos Paradesportivos Brasileiro Futsal no RJ.
Ano 1997
4ª Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Futebol de Amputados society em Maringá/PR.
Ano 1996
1ª Lugar no Campeonato Nacional, II Jogos Paradesportivos Brasileiro Futsal em Rio de Janeiro/RJ.
Ano 1995
1ª Lugar no Campeonato Nacional, I Jogos Paradesportivos Brasileiro Futsal em Goiânia/GO.
Ano 1994
1ª Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Futebol para Amputados Futsal em Niterói/RJ.
Ano 1991
3º Lugar Campeonato/Internacional, Amputee Soccer World Cup, futebol de campo e
Showboll em Tasket – Uzbekistão.

 

Vôlei

Competem atletas amputados de membros inferiores e pessoas com outros tipos de deficiência locomotora (sequelas de poliomielite, por exemplo). Há algumas diferenças para o vôlei convencional: a quadra é menor, possui 10m x 6m contra 18 x 9m e a altura da rede também é inferior à modalidade convencional, que tem cerca de 1.15m do solo no masculino e 1.05m para o feminino e os atletas competem sentados na quadra. Outra diferença é que no voleibol paraolímpico, o saque pode ser bloqueado e a quadra se divide em zonas de ataque e defesa, onde é permitido o contato das pernas de jogadores de um time com os do outro, porém não podem obstruir as condições de jogo do oponente.

O contato com o chão deve ser mantido em toda e qualquer ação ao encostar na bola, sendo permitido perder o contato somente nos deslocamentos. Cada jogo é decidido em uma melhor de cinco sets e vence o set o time que marcar 25 pontos. Em caso de empate, ganha o primeiro que abrir dois pontos de vantagem. O tie break é decidido em 15 pontos. O paravolei é gerenciado internacionalmente pela Organização Mundial de Voleibol para Deficientes (WOVD), e no Brasil, pela Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico (ABVP).

Conquistas do Vôlei Sentado

Ano 2012
5º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Aracaju/SE.
2º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Maringá/PR.
Ano 2011
3º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Maceió/AL.
2º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Paranaguá/PR.
Ano 2010
3º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Mogi das Cruzes/SP.
2º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Paranaguá/PR.
Ano 2009
3º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Niterói/RJ.
2º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Iguaçu/PR.
Ano 2008
3º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Niterói/RJ.
3º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Curitiba/PR.
Ano 2007
10º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Niterói/RJ.
1º Lugar no Campeonato Regional Sul de Voleibol Paralímpico em Maringá/PR.
Ano 2005
3º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Niterói/RJ.
Ano 2006
6º Lugar no Campeonato Nacional Brasileiro de Voleibol Paralímpico em Suzano/SP.